Quinta-Feira, 23 de Maio de 2019

Turismo
Domingo, 03 de Março de 2019, 07h:43

RIOS E CACHOEIRAS

Vai tomar banho no lago ou cachoeira? Saiba como evitar as armadilhas que podem ser fatais

Foram atendidos mais de 100 casos de afogamentos entre 2018 e este ano em Mato Grosso. Dicas de segurança são importantes para preservar vidas.

Redação

Divulgação

Cachoeira da Martinha - Chapada dos Guimarães (MT)

Cuiabá - Como em todo período mais prolongado de folga, uma das opções de lazer é uma cachoeira e seu ribeirão, um lago ou um rio. Mas para não transformar o passeio em uma tragédia, é importante estar atento às dicas de segurança. Apenas no mês de janeiro, o Corpo de Bombeiros registrou seis ocorrências de busca de desaparecidos em decorrência de afogamentos. No ano passado, houve um total de 91 ocorrências.

Os cuidados precisam ser tomados, como explica o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Alessandro Borges. “Em primeiro lugar, não consumir bebida alcóolica. Não combina. Também é muito importante conhecer o local onde se frequenta. O rio tem muitas armadilhas – rebojos (redemoinhos), correntezas e buracos. Um descuido pode ser fatal. Portanto, se não conhece o local, tente conhecê-lo. Também não se arrisque, porque a água pode ser perigosa”.

Outra recomendação é ficar atento às crianças, delimitando sempre o espaço onde elas devem permanecer. “Se houver qualquer distração, pode surgir uma situação de afogamento. Neste mês de fevereiro, tivemos cinco ocorrências envolvendo crianças e adolescentes. Às vezes, o adulto acha que o local é raso, mas, mesmo no raso, a criança pode se afogar. Portanto, muito cuidado”, diz o comandante.

O Corpo de Bombeiros orienta sobre as medidas a serem tomadas também pelo banhista que presencia um afogamento. Neste caso, deve-se chamar, de imediato, um socorro especializado.

"Orientamos não tentar o salvamento, porque há o risco desta pessoa se tornar mais uma vítima. Se, possível, buscar algum material flutuante que possa ser lançado à vítima, para auxiliá-la a não se afogar. Fazer com que ela mesma, flutuando, consiga se deslocar até a margem”, completa o 1° tenente Vilas Boas, chefe de Secção Administrativa do Corpo de Bombeiros.

Enchente súbita

Segundo o tenente Vilas Boas, há uma outra situação, muito comum em áreas de morro, como é o caso de Chapada dos Guimarães, que devem chamar a atenção do banhista. Acontece quando o rio ou córrego começa a encher abruptamente e a correnteza aumenta.

“Já presenciei algumas vezes essa situação. Começa a chover na cabeceira e, de repente, o nível da água começa a subir rápido, surpreendendo o banhista. Orientamos observar os arredores, especialmente para os lados da cabeceira, para ver se há indícios de chuva. Outra medida é demarcar um local, para ver o nível água não está subindo. Colocar uma pedra bem visível na altura da água, por exemplo. Se notar o nível subir a uma velocidade acima normal, deve-se abandonar rapidamente o local”.

Dias de segurança:

- Se ingerir bebida alcóolica, não entre na água
- Não deixe as crianças sozinhas na água ou nas margens dos rios
- Evite permanecer próximo de locais onde haja embarcações
- Fique com a água na altura da cintura, no máximo
- Sempre verifique a condição do tempo, a profundeza das águas e força da correnteza
- Não participe de brincadeiras perigosas
- Nunca entre em local desconhecido
- Nunca nade sozinho
- Divirta-se com segurança e, em caso de emergência, ligue 193

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO