Domingo, 23 de Setembro de 2018

Política
Quarta-Feira, 25 de Abril de 2018, 07h:47

QUEM PODERÁ NOS AJUDAR?

Quarteto abominável coloca o Brasil a um passo da intervenção militar

Diante da falência do Supremo, do câncer que domina as instituições, o que resta à gente de bem?

Jô Navarro

Montgem -Caldeirão Político

A decisão dos ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowsky e Dias Toffoli de tirar Lula de Sergio Moro expõe a desintegração do STF. Com apoio do ministro Marco Aurélio, formam o quarteto abominável, cujas decisões recentes do Supremo aumentam o risco de uma intervenção militar no Brasil.

A sensação das pessoas de bem, dos que não compactuam com a quadrilha inescrupulosa comandada por Luiz Inácio Lula da Silva, é que este país está mergulhado na escuridão, no esgoto da corrupção e com apoio de parte do judiciário. Cada vez mais pessoas se preparam para deixar o país, enojadas com a impunidade.

Diante da falência do Supremo, do câncer que domina as instituições, o que resta à gente de bem? Ir às ruas, gritar, se indignar, tirar do Congresso os integrantes da quadrilha por meio do voto.

A quadrilha que domina o Brasil faz mal à saúde coletiva.

1 COMENTÁRIO:

Abominável é não cumprir a Constituição e reescrevê-la ao sabor das conveniências políticas, favorecendo uns e prejudicando outros. O PRINCÍPIO DO JUIZ NATURAL abrigado na Carta da República (CF, artigo 5º, inncisos XXXVII, LIII e LIV) e contemplado por todas as Constituições das nações democráticas do mundo, constitui cláusula pétrea que só pode ser alterada pelo Poder Legislativo, através de uma Assembleia Constituinte. Mas o STF - sobrepondo-se ao Poder Legislativo -, subverteu a ordem constitucional vigente e mudou os termos da Constituição com o único objetivo de prejudicar um partido político; e numa decisão rasteira o STF salvou Aécio e condenou o Lula, entregando-o aos caprichos dos inquisidores e justiceiros da lava jato, para atender aos interesses das elites nacionais e do capital financeiro, contra a vontade soberana de milhões de brasileiros, potenciais eleitores do Lula, segundo indicam as pesquisas. Portanto, ao contrário do diz a articulista, o que a 2ª Turma do STF está tentando fazer NÃO É colocar o Brasil a um passo da intervenção militar. MAS SIM COLOCAR O STF NO CAMINHO DA CONSTITUCIONALIDADE, DA ÉTICA E DA MORALIDADE, POIS SOMENTE QUANDO UM TRIBUNAL ATUA COM INDEPENDÊNCIA E IMPARCIALIDADE, OBEDECENDO AO QUE DETERMINA A CONSTITUIÇÃO, ´É QUE OBTÉM O RESPEITO E O RECONHECIMENTO DO POVO. PS: Sobre “Princípio do Juiz Natural”, indico a leitura do excelente Artigo intitulado “O caso do tríplex em Guarujá, o juiz Sergio Moro e o juízo de exceção”, do brilhante advogado, Sérgio Sérvulo da Cunha, e publicado aqui no Caldeirão, na seção “artigos” do dia 21/4.
enviado por: Cícero Costa em 25/04/2018 às 22:32:22
0
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO