Domingo, 31 de Maio de 2020

Política
Quinta-Feira, 07 de Maio de 2020, 15h:51

ATO POLÍTICO

Ida ao STF foi ato político para constranger o Supremo

Jô Navarro

Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro foi pessoalmente, à pé, acompanhado do ministro da Economia Paulo Guedes e da Casa Civil, general Braga Mello, e empresários, até o Supremo Tribunal Federal (STF), para uma audiência de última hora com o presidente da Corte, Dias Toffoli, para falar da preocupação com a situação da economia.

O presidente tentou pressionar Dias Toffoli para evitar o lockdown já sinalizado pelo ministro da Saúde Nelson Teich. Ele tenta transferir para o Judiciário a responsabilidade pela crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus.

Toffoli respondeu: “Penso que é fundamental esse trabalho, diálogo, essa coordenação para que nós possamos pensar na retomada. Se for ver, as pessoas já estão saindo às ruas, já está chegando a uma situação em que as pessoas querem sair. Uma saída coordenada é fundamental, coordenação com estados e municípios”.

“Temos uma Constituição que garante competências especificas para entes e foi isso que o STF decidiu, mas sempre respeitando competência da União, nacionais, de orientação nas atividades essenciais, de transporte, produção. Penso que essa coordenação é fundamental para esse tipo de planejamento neste momento difícil”, disse Toffoli.

Lockdown x economia

O número de mortes já aproxima-se de 9 mil, o ministro da Saúde Nelson Teich, depois de protelar, admite a necessidade de lockdown em algumas cidades brasileiras.

Em uma reunião remota da comissão mista da Câmara dos Deputados que acompanha as ações relacionadas à covid-19, o ministro Onyx Lorenzoni admitiu a importância de medidas como o afastamento social e até mesmo o lockdown.

O presidente Bolsonaro, preocupadíssimo com a perda de seu prestígio político devido à pandemia, prioriza a economia e coloca em segundo plano as mortes pela covid-19. "E daí? 70% da população vai ser contaminada e muitos vão morrer. Fazer o quê?", já deixou claro o presidente.

Bastidores

No STF, foi grande o desconforto com a reunião às pressas a pedido do Planalto, sem sequer informar a pauta. O presidente foi acompanhado de um punhado de empresários e do ministro da Economia Paulo Guedes. Para piorar o constrangimento, transmitiu ao vivo a reunião, sem informar o presidente do STF. Foi um ato político que contribuiu para aumentar o atrito com o Poder Judiciário.

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO