Sexta-Feira, 16 de Novembro de 2018

Nacional
Segunda-Feira, 25 de Junho de 2018, 13h:01

SENADO

Crise das santas casas será debatida no Senado

Em 2018, as dívidas já estaria em R$ 23 bilhões, segundo a Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos.

Redação

Reprodução

Santa Casa de Misericórdia em Cuiabá

Nesta terça-feira (26), a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) deverá debater com representantes das santas casas de misericórdia, de instituições filantrópicas e de secretarias municipais e estaduais de saúde a situação dos hospitais filantrópicos no Sistema Único de Saúde (SUS). A audiência foi requerida pelos senadores Dalírio Beber (PSDB-SC) e Marta Suplicy (MDB-SP) e deverá começar às 10h30.

As dívidas das santas casas e hospitais filantrópicos de todo o Brasil deram um grande salto em pouco mais de uma década. Em 2005, o deficit financeiro do setor era de R$ 1,5 bilhão. Em 2018, já estaria em R$ 23 bilhões, segundo a Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos. A crise se reflete na capacidade de atendimento: de acordo com a entidade, em 2015 foram fechados 218 hospitais sem fins lucrativos, 11 mil leitos e 39 mil postos de trabalho.

Ainda segundo essas entidades, o valor repassado pelo Ministério da Saúde corresponde a cerca de 65% do gasto em um serviço. Para cada R$ 100, os hospitais recebem R$ 65 em média. Para tentar manter dinheiro em caixa, as entidades recorrem a financiamentos e a empréstimos bancários, gerando um ciclo de endividamento.

A audiência servirá para instruir os trabalhos da comissão de avaliação da “Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no Sistema Único de Saúde (SUS)”.

Foram convidados para o debate José Luiz Spigolon, diretor-geral da Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas; Custódio Pereira, presidente do Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas; e representantes do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO