Sexta-Feira, 26 de Abril de 2019

Cidades
Sábado, 13 de Abril de 2019, 09h:45

CARGA IRREGULAR

Advogado e terceirizado da Sema são presos tentando retirar madeira apreendida

Homem se apresentou como advogado com autorização judicial para retirar ferramentas, mas tentou levar dois caminhões carregados de madeira apreendida

Redação

Divulgação/PJC

Dois homens foram presos pela Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), da Polícia Judiciária Civil, na tarde de sexta-feira (12.04), tentando retirar uma carga irregular do pátio de apreensão de madeira da Secretaria do Estado do Meio Ambiente (Sema), situada no bairro Jardim Industrial, em Cuiabá.

Os suspeitos, E.P. e A.A.P., que é funcionário terceirizado do depósito, foram autuados em flagrante pelos crimes de associação criminosa e tentativa de fraude.

Os investigadores da Dema foram acionados para averiguar uma denúncia, sobre um homem identificado como E.P. e que se apresentava como advogado, estaria em busca de uma carga de madeira apreendida no depósito da Sema, no bairro Jardim Industrial.

E.P. possuía uma ordem expedida pelo juiz da Vara Especializada do Meio Ambiente, para restituição de uma carga de cabos de ferramentas. Porém, ele já havia negociado toda a apreensão, descumprindo assim o documento judicial que autorizava somente os cabos de ferragens.

Com base nas informações, os policiais civis foram até o depósito da Sema e lá abordaran dois caminhões referentes a esse procedimento, já carregados com aproximadamente 40 metros cúbicos de madeiras.

Em checagem foi verificado que a carga de madeira estava em desacordo com a decisão judicial apresentada por E.P., que permitia a retirada somente de cabos de ferramentas.

Diante dos fatos, E.P. e o funcionário terceirizado do local A.A.P., foram conduzidos à Delegacia Especializada do Meio Ambiente. Ambos foram ouvidos e autuados em flagrante pelos crimes de associação criminosa e tentativa de fraude.

Após a confecção dos autos os dois presos foram apresentados para audiência de custódia, ficando à disposição da Justiça.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO