Terça-Feira, 20 de Novembro de 2018

Cidades
Segunda-Feira, 05 de Novembro de 2018, 07h:45

SEGURANÇA

Ação articulada prende 5 integrantes de facção que atuava em MT e mais 3 estados

Redação

Divulgação/PJC-MT

Uma força-tarefa, composta entre órgãos estaduais e federais, desarticulou três associações criminosas que atuavam nos estados de Mato Grosso, Maranhão, Goiás e Paraíba. Até o momento, em 10 dias, 14 prisões já foram efetuadas. A última ação, realizada na madrugada deste domingo (04.11), prendeu Kleyton Correa do Nascimento, Paulo Henrique Santiago Ferreira, Jurandir José da Silva Neto, Lorena Marques Bandeira e Gleison Akira Toguti. Eles se preparavam para prática de um furto, na modalidade vulgarmente conhecida como “corte” na agência dos Correios, no setor Cidade Jardim, em Goiânia (GO).

De Mato Grosso, participam a Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), por meio da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Polícia Federal, Polícia Militar (PM-MT), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh). O trabalho é realizado em parceria com as forças policiais de outros estados.

Na ação deste domingo, os cinco foram autuados em flagrante pelos delitos de organização criminosa, uso de documento falso, tráfico ilícito de drogas e receptação de veículo. Com os investigados foram apreendidos grande quantidade de ferramentas utilizadas no crime, tais como brocadeira, inúmeros discos de corte, lixadeiras, alavancas, bateria, furadeiras, um bloqueador de sinal com 18 antenas, um veículo produto de crime, além de vestimentas e luvas.

Eles são oriundos de Mato Grosso e integram uma facção criminosa, além de contarem com a participação de criminosos de dentro do sistema prisional. O grupo é investigado pela prática de um furto qualificado, também na modalidade conhecida como “corte”, de uma agência do Banco do Brasil, no setor Bueno, em Goiânia, na madrugada de 23 de setembro deste ano.

Na avaliação do secretário de Estado de Segurança de Mato Grosso, Gustavo Garcia, as pessoas que estão sendo presas atuavam de forma interligada com outros grupos criminosos. “O crime organizado não pode ser enfrentado sem uma ampla integração com os órgãos federais, pois este deixou de ser um fenômeno local há muito tempo”. Ele também ressaltou o trabalho especializado, com o fortalecimento da atividade de inteligência. “Cada órgão tem feito um ótimo trabalho no âmbito de suas competências, todos compartilhando suas expertises”.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO